Os óxidos de ferro e as pinturas antigas

A origem das tintas está na pré-história, quando pintavam figuras coloridas nas paredes das cavernas com tintas grosseiras. Geralmente, as tintas usadas eram feitas de corantes naturais: terras, carvão vegetal, óxido de ferro, cal branco e ossos queimados de animais. Os tons de vermelho, assim como o amarelo e o lilás, eram obtidos a partir do aquecimento de pigmentos feitos de óxido de ferro (goethita, hematita e limonita), encontrados dentro das cavernas. A goethita é um óxido de ferro com fórmula química FeO(OH) que pode ocorrer em vários tons de castanho, laranja, amarelo e vermelho. A hematita com fórmula ?-Fe2O3 é um mineral muito comum nos solos e rochas, possui brilho metálico e coloração preta, cinza, marrom, marrom avermelhado ou vermelho. E a limonita é um termo aplicado a um grupo de óxidos de ferrohidratados, amorfos e de cor amarela ou acastanhada, formados a partir da oxidação de minerais que contêm ferro. O aparecimento das cores estava relacionado ao tipo de aquecimento e atmosferas que os óxidos de ferro eram submetidos. As tonalidades de preto foram proporcionadas pelo óxido de manganês ou carvão de madeira.

Leia também

As cores e as ciências-sociedade

As cores das roupas

As obras de Van Gogh estão ficando marrom

O olho humano: um espectrômetro poderoso

Todos nós somos químicos?

 

 

About Genilson Pereira Santana

Professor de Química Analítica da Universidade Federal do Amazonas, autor de livros em Química, Editor da Revista Eletrônica Scientia Amazonia e da Revista Divirta-se com o Clube da Química.

2 thoughts on “Os óxidos de ferro e as pinturas antigas

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.