O verdadeiro ato de ensinar Química

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Geralmente, quando se fala em química a primeira coisa que nos vem no pensamento é a forma tradicional de ensinar esta importante área da ciência. Muito embora, no Brasil existem vários exemplos de ensino de Química fora da forma tradicional. Na verdade, a relação professor/ aluno  é feita de inovações/adaptações/reinvenções. Quantas e quantas vezes um professor não mudou de estratégia para atingir o seu objetivo de ensinar Química. Em nome do ato de ensinar, muitos professores inovam o tempo todo em uma discíplina. Isso ocorre até mesmo na forma tradicional de ensinar Química. Evidentemente, o ato de inovar não está naquele estilo ditadorial, mas na adaptação de situações novas. Se a turma insiste em usar o smartphone  para acessar Facebook ou WhatsApp,  o professor deve tornar esses aplicativos  uma ferramenta de ensino. Nesses casos a criatividade é fundamental para trazer o aluno para o centro da aprendizagem de Química. Somente com criatividade aliado ao conhecimento da turma que o abstrato existentes nas teorias de Química podem ser ensinados. De modo geral, o problema não está no ensino tradicional ou na modernidade e sim na falta de sensibilidade e falta de criatividade no ato de ensinar a Química. Ou seja, o que emperra é a falta de criatividade e o modelo conteúdista baseado em um conjunto de assuntos atrelados a provas.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Professor de Química Analítica da Universidade Federal do Amazonas, autor de livros em Química, Editor da Revista Eletrônica Scientia Amazonia e da Revista Divirta-se com o Clube da Química.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *