O que um sensor pílula pode revelar sobre o intestino

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Kalantar-zadeh conduz um grupo de pesquisadores que testam um cápsula com um sensor eletrônico para detectar com precisão as concentrações de hidrogênio, dióxido de carbono e oxigênio em tempo real ao passar pelo corpo. A cápsula é do tamanho de uma grande pílula – apenas 2,6 centímetros por 1 centímetro. Desde o momento em que é engolida até o momento em que é excretada entre um e dois dias depois, a cápsula envia dados sobre as concentrações de gás do intestino a cada 5 minutos para um dispositivo portátil que usa Bluetooth  para enviar os dados para um aplicativo de smartphone. À medida que a cápsula percorre o trato digestivo humano pode ajudar os médicos a diagnosticar as condições intestinais dos pacientes, como a intolerância à lactose e a síndrome do intestino irritável, revela os resultados preliminares da  equipe do Dr Kalantar-zadeh. Os testes da cápsula mostram que o intestino grosso de pessoas com dieta rica em fibras contêm altas concentrações de oxigênio. Esse resultado contradiz a velha crença de que o intestino grosso é sempre livre de oxigênio. Se for aprovada pelos órgãos oficiais de saúde, a cápsula poderá revolucionar a forma como os médicos diagnosticam distúrbios intestinais e até ajudar na avaliação de dietas dos pacientes. Isso porque cada doença provavelmente tem sua própria assinatura de concentrações de gás, então as leituras de cápsulas permitiriam que os médicos identifiquem os problemas que um paciente está tendo.

Fonte: LiveScience

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Professor de Química Analítica da Universidade Federal do Amazonas, autor de livros em Química, Editor da Revista Eletrônica Scientia Amazonia e da Revista Divirta-se com o Clube da Química.

About Genilson Pereira Santana

Professor de Química Analítica da Universidade Federal do Amazonas, autor de livros em Química, Editor da Revista Eletrônica Scientia Amazonia e da Revista Divirta-se com o Clube da Química.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *