O mercúrio e a Amazônia

O problema da contaminação de mercúrio na Amazônia chamou a atenção em 1985, quando oHg2 pesquisador francês Jacques Cousteau encontrou peixes com altas concentrações em regiões de garimpo do rio Madeira. A partir de então, outros pesquisadores detectaram altos níveis de mercúrio em diversas espécies de peixes, em cabelo humano, solos e em outras amostras

Encontro das águas (Manaus - Amazonas)
Encontro das águas (Manaus – Amazonas)

biológicas. Dentre as fontes de contaminação de mercúrio, inicialmente, a atividade garimpeira do ouro foi, por algum tempo, considerada a principal. Estimativas iniciais chegaram ao número de que 63% do mercúrio presente na Amazônia era devido ao processo de obtenção do ouro. O restante do mercúrio tinha como fonte a queima de biomassa, absorvida nos solos e no ar. Outras considerações sobre a quantidade de mercúrio presente na Amazônia dão conta de que este metal tóxico é de origem natural. Ou seja, os processos geológicos, principalmente o intemperismo, favorecerem a permanência do mercúrio na região. Independente de qual seja a origem do mercúrio na Amazônia a verdade é que ele está presente na região em altas concentrações.

About Genilson Pereira Santana

Professor de Química Analítica da Universidade Federal do Amazonas, autor de livros em Química, Editor da Revista Eletrônica Scientia Amazonia e da Revista Divirta-se com o Clube da Química.

2 thoughts on “O mercúrio e a Amazônia

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.