O DDT – um inseticida que contaminou a humanidade

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

O DDT foi descoberto como inseticida em 1939 por Paul Müller, um químico que trabalhava para a empresa Suíça Geigy no desenvolvimento de vários produtos químicos para combater os insetos agrículas. Müller foi agraciado com o Prémio Nobel de Medicina e Fisiologia em 1948, em reconhecimento às muitas vidas de civis que o DDT salvou na Segunda Guerra Mundial.

Antes do DDT, os únicos inseticidas disponíveis eram aqueles com base nos compostos de arsênio, que eram muito tóxicos e persistentes, e aqueles extraídos de plantas que perdiam rapidamente sua efetividade quando expostos ao ambiente. Por causa disso, o DDT parecia ser o primeiro inseticida ideal; não era muito tóxico para as pessoas, mas era altamente tóxico para os insetos. ddt1

Produtos contendo DDT foram comercializados internamente na Suíça a partir de 1941. Como a Suíça se manteve neutra durante a Segunda Guerra Mundial, seu governo informou tanto aos aliados quanto aos Países do Eixo sobre o descobrimento e usos do DDT. Somente os Aliados ocidentais perceberam sua utilidade em tempos de guerra no combate a doenças infeciosas transmitidas por insetos em regiões de clima quente.

Ao final da Primeira Guerra Mundial, o tifo tinha causado mais de cinco milhões de mortes. Evitando a repetição de tamanhos desastres, conseguiu-se frustar uma incipiente epidemia de tifo em Nápoles, Itália, pulverizando todos os civis e tropas aliadas de ocupação com DDT.Surtos de tifo em outras partes da Europa, entre elas os campos de concentração de Dachau e Belsen, foram tratados da mesma maneira pelas tropas aliadas conforme elas avançavam. Para combater os insetos nocivos, foram feitas pelos Aliados pulverizações aéreas em Guadalcanal e outras partes do Pacífico antes da invasão das ilhas por suas tropas.  O DDT foi também usado para combater mosquitos transmissores de malária em várias partes da Europa, tanto durante quanto após a guerra.

Após a Segunda Guerra Mundial, o DDT começou a ser utilizado não apenas com propósitos de saúde pública mas em áreas de clima quente e de forma extensiva, principalmente em países em desenvolvimento para combater as pragas de insetos que atacavam as lavouras agrícolas. Inicialmente, o DDT foi usado em árvores frutíferas e em lavouras de verduras e em seguida nas plantações de algodão. Depois de um tempo, alguams populações de insetos se tornaram resistentes ao DDT, diminuindo sua efetividade. Esse fenômeno levou os agricultores a aplicar quantidades cada vez maiores particulares nas plantações de algodão.

Na comunidade científica, havia muitas reservas, quanto ao uso do DDT como “inseticida perfeito” praticamente desde a primeira vez em que foi usado. Em particular, era conhecido que o DDT persistia no solo durante vários anos e que poderia se tornar magnificado na cadeia alimentar. O público, em geral, tornou-se ciente do problemas ambientais associados ao DDT em razão da publicação, em 1962, do livro de Rachel Carson Silent Spring (Primavea de Silêncio). No livro foi discutido o declínio dos americanos em determinadas regiões do Estado Unidos devido a sua alimentação à base de minhocas, que estavam contaminadas com DDT usado em quantidades enormes para combater a doença de Dutch em olmos.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Professor de Química Analítica da Universidade Federal do Amazonas, autor de livros em Química, Editor da Revista Eletrônica Scientia Amazonia e da Revista Divirta-se com o Clube da Química.

About Genilson Pereira Santana

Professor de Química Analítica da Universidade Federal do Amazonas, autor de livros em Química, Editor da Revista Eletrônica Scientia Amazonia e da Revista Divirta-se com o Clube da Química.

One thought on “O DDT – um inseticida que contaminou a humanidade

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *