A influência da química no pôr do sol

É muito comum as pessoas elogiaram a variedade cromática durante o pôr do sol.  Interessante afirmar que a Química tem uma influência notável sobre essa variação. Com a rotação da terra há também uma variação na intensidade da radiação do sol. As consequências é que a plantas passa a produzir menos clorofila. Essa substância é dominante nas cores de outros pigmentos encontrados nas folhas. Além das clorofilas, a variação cromática modifica também a quantidade de flavonas (responsáveis pelas cores amarelas ou brancas pálidas das folhas), de taninos (responsável pela cor marrom), de antocianinas (responsáveis pelas cores rosa, azul e roxo), e de caroteno (responsáveis pelas colorações vermelhas, laranjas e amarelas). Por outro lado, as modificações de vento e consequentemente uma dispersão de gases fazem com com que o pôr do sol tenha diversas cores como azul, amarelo, verde etc. Este tipo de dispersão é conhecida como dispersão de Rayleigh , em homenagem a Lord Rayleigh, que no século 19, encontrou uma explicação para a beleza dos pores do sol avermelhados, bem como para a cor azul do céu, que é originário de causa da dispersão de moléculas na atmosfera a um comprimento de onda mais curto, que está localizado na extremidade azul do espectro visível.

About Genilson Pereira Santana

Professor de Química Analítica da Universidade Federal do Amazonas, autor de livros em Química, Editor da Revista Eletrônica Scientia Amazonia e da Revista Divirta-se com o Clube da Química.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.