Da planta ao medicamento e planta à molécula sintética

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Com a química científica, é a industrialização que faz sua entrada na história da medicina no início do século XIX. Gradualmente, uma metodologia rigorosa liquida com ensaios clínicos, duplo-cego reconcilia químico, fisiologia, e bioquímico clínico foi introduzida. Ainda hoje, a química de extração e síntese fornece uma grande parte de nossos medicamentos. Investigação de substâncias naturais é um ponto de inflexão na década de 1990 e com a chegada de uma nova tecnologia foi introduzida throughput screening. Robôs começaram a analisar milhares de extratos de plantas diariamente para detectar moléculas ativas que podem ser eficazes contra uma doença particular. As plantas ainda permanecem como o coração da farmacopeia humana. Sendo introduzida uma abordagem sistemática para rastrear famílias inteiras de produtos químicos a partir de extratos purificados de substâncias vegetais ou marinhas. Para aumentar sua rentabilidade, a maioria das grandes empresas farmacêuticas praticamente acabaram com suas pesquisas sobre substâncias naturais para se voltarem para moléculas feitas diretamente por laboratórios de química. A química combinatória, em particular, tornou possível a montagem de milhões de moléculas, aleatoriamente, a um custo mais baixo, de maneira mais simples e mais lucrativa do que as moléculas derivadas da natureza. Para isso, enormes bibliotecas químicas são alimentadas com novas informações para que robôs possam rastrear moléculas ativas. Mas se essa química combinatória produz mais do que a natureza, com o empecilho de produzir moléculas muito simples e muitas com baixa utilidade. Enquanto a molécula natural tem uma estrutura de complexidade e refinamento que o homem é incapaz de imaginar. É o resultado de milhões de anos de seleção, por isso muitas vezes tem uma utilidade de adaptação biológica. Por isso, laboratórios e centros de pesquisa continuam a expandir suas coleções de plantas através de campanhas de prospecção em florestas e outros ecossistemas ricos em biodiversidade. As plantas são coletadas no campo, identificadas, depois secas e extraídas com solventes, até que um extrato vegetal seja feito em placas em tubos pequenos, prontos para triagem. Se uma molécula ativa é detectada, o químico a isola, identifica sua estrutura, a fim de reproduzi-la integralmente, por síntese, ou modificá-la em parte. O objetivo sempre é alcançar uma única molécula, simplificada e melhorada, fácil de produzir no laboratório. Hoje, a pesquisa está progredindo em genética, e as últimas descobertas sobre a microbiota e a fagoterapia, conhecidas há mais de um século, abrem novos caminhos terapêuticos, onde a droga também é composta de organismos vivos, bactérias e vírus.

Fonte: France Culture

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Professor de Química Analítica da Universidade Federal do Amazonas, autor de livros em Química, Editor da Revista Eletrônica Scientia Amazonia e da Revista Divirta-se com o Clube da Química.

About Genilson Pereira Santana

Professor de Química Analítica da Universidade Federal do Amazonas, autor de livros em Química, Editor da Revista Eletrônica Scientia Amazonia e da Revista Divirta-se com o Clube da Química.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *