A chuva na Amazônia depende do isopreno

isopreno
Isopreno
2metiltreitol
2-metiltreitol

Uma coisa é certa na Amazônia a chuva é bastante abundante. Fato que pode ser atribuído a extensa vegetação existente na região Amazônica. Esse grande tapete verde não significa ser a maior diversidade mundial, mas uma fábrica de isopreno. Esse terpeno é o responsável pelo a formação de gotas de chuvas, pois a formação das gotículas de água na atmosfera depende de sua oxidação em 2-metiltreitol. Após um conjunto de reações fotoquímicas, o isopreno perde um átomo de hidrogênio e ganha quatro de oxigênio, convertendo–se  2-metiltreitol.  Cidades como Manaus e Bélem, duas metropoles afetam diretamente o processo de produção de isopreno, não só com processo de explosão demográfica mas também pela quantidade de poluição produzida.  Dessa forma, o processo de ocupação desordenado com consequente desflorestamento mudará com certeza a quantidade de chuva na região e dada a proporção em outras regiões do planeta serão afetadas.

Leia também:

Chuva ácida e amazônia

Fonte:

Urbanização já afeta chuvas e funcionamento do clima amazônico

Descoberto o “elo perdido” das chuvas na Amazônia

Os senhores da chuva

 

About Genilson Pereira Santana

Professor de Química Analítica da Universidade Federal do Amazonas, autor de livros em Química, Editor da Revista Eletrônica Scientia Amazonia e da Revista Divirta-se com o Clube da Química.

2 thoughts on “A chuva na Amazônia depende do isopreno

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.