A era do aço

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

A produção de aço só foi possível com surgimento da forja catalã (considerada o embrião dos altos-fornos utilizados na atualidade). A forja era uma lareira feita de pedra e foles manuais que inflavam a forja de ar, aumentando a temperatura e quantidade de ferro produzido. Dessa forma, foi possível obter ferro em estado líquido, e não mais pastoso. Com o uso de altos fornos o minério de ferro passou a ser fundido em temperaturas ainda maiores. Nessas temperaturas foi possível maior absorção de carbono do carvão vegetal. Isso tornava o ferro e as ligas de aço mais duras e resistentes. O aço é mais resistente que o ferro fundido e pode ser produzido em grandes quantidades, servindo de matéria-prima para muitas indústrias. Assim, desde o século 18, quando europeus e norte-americanos passaram a conceber edificações com o uso de estruturas metálicas de aço. Muitos arquitetos utilizaram as propriedades desse sistema para conceber soluçõescalatrava arrojadas, com alto índice de industrialização e precisão. No hemisfério Norte não faltam exemplos de arquitetura de vanguarda feitas de pilares e vigas de aço: Torre Eiffel (Paris), arranha-céus norte-americanos da Escola de Chicago e, mais recentemente, às pontes e passarelas de Santiago Calatrava, com exemplares na América Latina – como a Ponte da Mulher, em Puerto Madero, Buenos Aires. Apenas nos últimos 15 anos o Brasil começa a explorar com mais intensidade essa alternativa estrutural. Enquanto na Inglaterra cerca de 70% dos prédios com mais de quatro andares usam estrutura de aço, no Brasil, com uma cultura construtiva que sempre se baseou no concreto, esse percentual não passa de 5%.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Professor de Química Analítica da Universidade Federal do Amazonas, autor de livros em Química, Editor da Revista Eletrônica Scientia Amazonia e da Revista Divirta-se com o Clube da Química.

About Genilson Pereira Santana

Professor de Química Analítica da Universidade Federal do Amazonas, autor de livros em Química, Editor da Revista Eletrônica Scientia Amazonia e da Revista Divirta-se com o Clube da Química.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *